GUERRA GUARANÍTICA

GUERRA GUARANÍTICA
A RESISTÊNCIA

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

quinta-feira, 31 de março de 2011

CAPTURA E CONVIVENCIA DE MABILDE COM OS KAINGANG

CONTADO PELOS BISNETOS DE AFONSO MABILDE:

Pierre François Alphonse Booth Mabilde' ou Alfonso Mabilde (Bruxelas, 30 de agosto de 1806 - São Leopoldo, 4 de dezembro de 1892) foi um engenheiro, jornalista e antropólogo belga que emigrou para o Brasil.
Filho do belga Lourenço Luís Mabilde e da inglesa Elisabeth Petronilla Booth, estudou engenharia civil na Universidade de Liège. Ao formar-se foi convocado para servir o exército, junto com seus colegas - o que gerou uma revolta, logo abafada, mas que levou-o a emigrar para o Brasil

eram chamados "coroados porque cortavam o cabelo, parecendo uma "coroa"


"quando engenheiro e agrimensor das colônias, abria uma estrada, ao cair de uma tarde, foi supreendido  e preso com todos os homens que com ele trabalhavam , por uma tribo de coroados(kaingangs) Ele. logo reconhecido pelos selvagens, como sendo o chefe dos homens que trabalhavam com ele, foi   levado até o caciqueprincipal,para que ditasse a sua sorte. O prisioneiro, usando de mímica, conseguiu mostrar aos selvagens a utilidade d euma luneta que carregava consigo. Deu-a ao cacique para olhar através dela, deixando-o maravilhado pelo ato de enxergar perto objetos que se achavam distantes. O cacique passou a luneta aos demais selvagens que o imitaram ficando igualmente deslumbrados. continuando a se comunicar por gestos fez o cacique entender quanto a luneta seria boa para usarem no seu posto de observação   , localizado na copa do mais alto pinheiro do alojamento.
Os coroados, surpreendidos e amedrontados com a luneta e com a mímica e os truques praticados pelo prisioneiro, que lançava mão de todos os recuros que lhe ocorriam para sae salvar, pouparam-lhe a vida.
Consideraram-no como um ser superior, que lhes causava muto temor, bem visível ,aliás, para o inteligente e astuto pridioneiro. Trataram-no bem, com um misto de respeito e medo, dando-lhe um rancho velho, no alojamento, para morar . Respeitaram as suas roupas e seu cabelos , o que não faziam com prisioneiro algum. Mulheres e crianças , quando aprisionadas eram despidas, os cabelos tesourados e os pelos das demais partes do corpo, arrancados e atirados ao fogo.

ái permaneceu por dois anos, anotando, aprendendo e falando a lingua dos coroados.