GUERRA GUARANÍTICA

GUERRA GUARANÍTICA
A RESISTÊNCIA

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

sexta-feira, 1 de abril de 2011

CONVIVENCIA DE MABILDE COM OS COROADOS

Afonso Mabilde ficou preso, gozando de alguma liberdade muito vigiada, para não ter possibilidade alguma de fugir, o que ele, aliás, logo verificou. Passou trabalho, privações e frio. Para se abrigar dispuha unicamente das roupas que vestia ao ser aprisionado. tratou de fazer alguma coisa, mantas com fibras de vejetais,caçar animais para usar as peles e penas como abrigo.
O que fazia ensinava tudo aos selvagens,deixando-os surpeendidos com o que conseguia realizar. Jamais manifestou desejo de fugir, o que, se fizesse, lhe seria fatal. Tratou então de ir conquistando, aos poucos, a confiança dos indigenas coroados, que, à medida que o tempo passava, cada vez mais o consideravam como um ser diferente e superior, respeitado  até pelo cacique principal. a maior prova disso é da consideração que teve quanto à alimentação que lhe davam os indigenas coroados, oferecendo a ele frutas, pinhões, não tendo que ele mesmo procurá-los na mata.
Começou a colher dados  sobre os usos e costumes e crenças, fazendo o possível para falar o idioma indigena. quando conseguiu falar com os indígenas, estes passaram a vigiá-lo menos. Era só seguido e vigiado por um jovem índio de mais ou menos 20 anos chamado Ucuity, e se tornaram amigos.
Mabilde falava com Ucuity sobre as maravilhas da civilização, da vila de São Leopoldo(agora parte da Grande Porto alegre-Rio Grande do Sul- , das casas que construía, das pontes para atravesssar os rios sem precisar nadar, etc...
Tudo o que contava, totalmente desconhecido para Ucuity, despertava-lhe a curiosidade...digamos que foi uma boa estratégia de Mabilde! Propòs então ao  jovem índio que o acompanhasse até São leopoldo onde lhes mostraria tudo e acabou fugindo dos coroados levando consigo o jovem, e por incrivel que pareça, Ucuity impôs apenas que pudesse levar consigo um filhote de onça, a que dedicava particular afeto.
Já haviam se passado dois anos.
Trouxe para São Leopoldo além de Ucuity e a sua onça pedras preciosas, semipreciosas, amostras de plantas que lhes despertaram a curiosidade, tudo o que pode....
Quando chegaram a São Leopoldo Mabilde e  o indio foram recebidos  com afeto,pois a familia, depois de tanto tempo estava em luto, pensando que ele havia morrido na mata.
Foi grande a alegria, O jovem foi bem recebido e tratado como um filho. Ucuity aprendia e aceitava os novos  costumes com certa relutância , mas não falava em voltar para as matas.
quanto à onça, não queria nem falar na hipótese de colocá-la em uma jaula, o animal já estava crescido e quando conseguia burlar os moradores da casa saia a passear com a onça come se fosse um gatinho de estimação. Era uma fêmea e tolhida de sua vida natural foi ficando inquieta e feroz, até que um dia , apesar das advertências de Mabilde, Ucuity foi alimentar a fera e ela o atacou de surpresa, não havendo tempo de defender-se, acabou morto pelas garras da fera.

Triste fim para Ucuity, o amor que tinha pela fera custou-lhe a vida.

Mabilde, por sua vez tornou-se um tipo de guia para os demarcadores que avançavam, pois conhecia bem os perigos da floresta, Pesquisava sempre, com espírito observador colheu muito material de etnologia, geologia, mineralogia, botânica e tudo o que a elas se ligasse direta ou indiretamente e que lhes eram familiares .
Além disso, caindo nãs mãos de outra tribo, posteriormente, foi reconhecido, salvo e liberto pela primeira tribo com a qual convivera e que o reconheceram. No primeiro momento, para salvar-se usou o mesmo método anterior "da utilidade da luneta"!
pintura imitando pele de onça

Mabilde faleceu em 1883, em são Leopoldo , este engenherio belga que havia se naturalizado brasileiro deixou um legado hsitórico inestimável para   o Rio Grande do Sul.

Observação:selvagens pode ser uma forma de entender:habitantes da selva.

ONÇA PINTADA


A onça-pintada (Panthera onca), também conhecida como jaguar ou jaguaretê é um grande felino, do gênero Panthera, e é a única espécie Panthera encontrado nas Américas. É o terceiro maior felino após o tigre e o leão, e o maior do Hemisfério Ocidental. Mamífero da ordem dos carnívoros, membro da família dos felídeos, é encontrada nas regiões quentes e temperadas do continente americano, desde o sul dos Estados Unidos até o norte da Argentina. É um símbolo da fauna brasileira. Os vocábulos "jaguar" e "jaguaretê" têm origem no termo da lingua guarani jaguarete. O gato tem sido largamente extirpado dos Estados Unidos desde o início do século 20. Este gato manchado mais se assemelha ao leopardo fisicamente, embora seja geralmente maior e mais resistente. As características do seu comportamento e habitat são mais próximas às do tigre. Enquanto seu habitat preferido foi visto sendo na densa floresta tropical, foi encontrado em uma variedade de terrenos abertos. A onça pintada está fortemente associada com a presença de água e é notável, juntamente com o tigre, como um felino que gosta de nadar. Anda em grande parte solitária, mas é oportunista na seleção de presas. É também um importante predador.
a onça pintada não existe mais no Rio Grande do Sul  atualmente, por não haver mais mata suficiente para seu habitat.