GUERRA GUARANÍTICA

GUERRA GUARANÍTICA
A RESISTÊNCIA

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

O REI D.JOÃO VL TRANSFERIU-SE PARA O BRASIL


ESTA FOTO FOI  FEITA POR  MIM  RODEIO CRIOULO INTERNACIONAL DE PASSO FUNDO- ESTE GAÚCHO TEM TRAÇOS  NÍTIDAMENTE INDÍGENAS
OBSERVAMOS QUE NESTA ÉPOCA JÁ HAVIA-SE DADO A GUERRA GRARANÍTICA, E QUE , QUANDO ESCREVE-SE " ATACARAM COM UM GRUPO DE "TANTOS SOLDADOS E TANTOS INDÍGENAS" FRIZAMOS QUE QUANDO SE CONTA ESTA HISTÓRIA PENSA-SE QUE OS ÍNDIGENAS ESTIVESSEM TOTALMENTE  EXCLUÍDOS DAS LUTAS,.NÃO! MUITOS INDÍGENAS INCORPORADOS AGORA AO COMANDO PORTUGUES E NÃO MAIS ESPANHOL(CONSIDERARAM OS ESPANHÓIS TRAIDORES, POIS OS PADRES EMBORA EXPULSOS POR ORDEM REAL E PAPAL FORAM EMBORA) OS QUE RESTARAM AJUDARAM OS PORTUGUESES A CONQUISTAR O TERRITÓRIO DAS MÃOS DOS ESPANHÓIS AGORA PARA OS PORTUGUESES E TAMBEM MUITOS DELES FICARAM NAS FAZENDAS COM OS LUSO-BRASILEIROS, ERAM ÓTIMOS COM O MANEJO DO GADO E DOS CAVALOS.  



COMEÇAM AQUI  DEPOIS DO TRATADO DE SANTO ILDEFONSO AS GUERRAS CISPLATINAS.

O Tratado de Santo Ildefonso reduzira a menos  da metade  a  atual superfície do território sul-riograndense, com a perda das terras  da bacia do Uruguai.
Contudo, a exemplo dos espanhóis, que não respeitaram o Tratado de Madrid, e ainda em represália pelos amus tratos que deles recebiam, luso-brasileiros vão agora, numa terrivel vingnça , conquistar definitivamente toda a vasta região missioneira, área superior a todo o território de Portugal.
Portugal  e Espanha encontravam-se outra vez em guerra, declarada por napoleão Bonaparte, o que provocou a transferência  de D.João VI para  o  Brasil. 



FONTE:ENCICLOPÉDIA LIVRE:


Transferência da corte para o Brasil
Em novembro de 1807, D. João VI decidiu pela transferência da corte portuguesa para o Brasil, evitando ser aprisionado com toda a família real, nobreza portuguesa e o governo, tornando possível manter a autonomia portuguesa a partir do Rio de Janeiro. Contudo, o fez mais dependente em relação à Inglaterra, com a imposição da abertura dos portos brasileiros ao comércio internacional e o tratado Luso-Britânico de 1810, desastroso para a economia portuguesa, embora (ou por isso mesmo) decisiva para o progresso e a independência do Brasil.

Embarque para o Brasil do Príncipe-regente de Portugal, D. João de Bragança, e de toda a família real e nobreza portuguesa, no porto de Belém, às 11 horas da manhã de 29 de novembro de 1807. Gravura feita por Francisco Bartolozzi (1725-1815) a partir de óleo de Nicolas Delariva.
Embarcaram para o Brasil a Rainha D. Maria I, o Príncipe-regente D. João de Bragança, seus filhos D. Pedro de Alcântara e D. Miguel, sua esposa D. Carlota Joaquina de Bourbon, suas filhas as infantas Maria Teresa de Bragança, Maria Isabel de Bragança, Maria da Assunção de Bragança, Isabel Maria de Bragança, Maria Francisca de Assis de Bragança e Ana de Jesus Maria de Bragança, ainda estavam as infantas D. Maria Ana Francisca e a viúva D. Maria Francisca Benedita de Bragança, irmãs da rainha, o infante Pedro


Os Castelhanos, por ordem de napoleão, dispõem-se a invadir o CONTINENTE DE SÃO PEDRO DO RIO GRANDE, entretanto, quem vai tomar a iniciativa de atacar é o governador Veiga Cabral.
Em Jaguarão, o coronel MANUEL mARQUES DE SOUSA DERROTA OS CASTELHANOS ALI ESTACIONADOS E ALCANÇA OUTRA BRILHANTE VITÓRIA NO  Passo Da Perdiz em 17-6-1680. No dia 30 d eoutubro. toma Cerro largo, aprisionando cerca de 500 espanhóis.
Qunado Manuel dos Santos pedroso, um fazendeiro rio-grandense foi autorizado a invadir as Missões, o audacioso vaqueano José Borges do Canto, cachoeirense, ex-soldado  do Regimento de Dragões, apresentou-se com vinte companheiros de andanças.
Autorizado pelo Coronel Patricio Correia Cãmara, comandante da Fronteira do Rio pardo, Borges do Canto , com 40 soldados e 300 indios, marchou sobre a região das Missões. As Missões, agora subordinadas ao vice-rei de Buenos Aires, encontravam-se em desoladora decad~encia, motivada pela expulsão dos jesuítas e pela debaNDADA DOS ÍNDIOS.
Enquanto Santos Pedroso ocupava São martinho, o povo de sãO Nicolau e depois São Borja, Borges do Canto avançava para são Miguel, subjugando o governador espanhol D.Francisco Rodrigo, que tentava resistir. a seguir, ocupou São Luis, são João e Santo angelo.Tudo em poucos dias esta tomada  das missões.

As terras férteis e de clima ameno das Missões foram wentão doadas aos conquistadores. De São paulo deslocaram-se para cá centenas de familias. a terça  parte de curitiba e lages mudou-se para a nossa fronteira .Contrabandistas e aventureiros, que vagavam  pela região, recebiam agora terras para se fixarem definitivamente.
Operava-se, desta maneira, o que os espanhóis não fizeram :povoar toda região missioneira para desfrutá-la   e ao mesmo tempo garantir a segurança de nossa fronteira.