GUERRA GUARANÍTICA

GUERRA GUARANÍTICA
A RESISTÊNCIA

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

quarta-feira, 23 de março de 2011

VIDA E MORTE-MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO

Passado este tempo os indígenas do Rio  Grande do Sul ficaram um bom tempo ao "DEUS DARÁ" , haviam muitas florestas ainda, por muito tempo ainda tribos conviveram como dantes, depois da destruição dos SETE POVOS DAS MISSÕES, mas sempre foram perseguidos pelos brancos, como relata Francisco  Antonino Xavier e Oliveira: nos seus 'ANNAES DO MUNICIPIO DE PASSO FUNDO:
 DIZ NA PG 63:
 Resumo Histórico do município de Passo Fundo:

O território que hoje constitui o município de Paso Fundo, no Estado do Rio Grande do Sul fez parte da província jesuítica das Missões orientais do uruguai, sendo então sujeito a jurisdição do povo de São João Batista, cujas ruínas demoram ao pé daconfluencia dos rios Ijuí e Ijuízinho, no município de Santo Angelo.
Foram seus primitivos habitantes os índios guaranis, (aqui denominados TAPES) , seguindo-se da raça TUPI, em poder dos quais se achava o território quando, em 1827 começou o povoamento pela raça branca.
Em 1833 contando já cento e tantos fogões(habitações) formava o quarto quarteirão da então vila de  São  Borja.

Criado , no ano seguinte o município de Cruz Alta, passou a pertencer-lhe, constituindo o seu quarto distrito.
Em 1835, quando teve começo a Grande Revolução Republicana Rio-Grandense(Revolução Farroupilha) o seu estado era próspero e a população tinha aumentado muito, mas não tardou que os efeitos da luta fratricida o atingissem.,fazendo-o retroceder consideravelmente, deixando-o, ao cabo das hostilidades, com a população reduzida à terça parte e a braços com a míséria.
De então, a 1856, prosperou bastante, a despeito das graves perturbações que o assaltaram neste período, PROMOVIDAS PELOS INDIOS COROADOS(KAINGANGS-JÁ NÃO HAVIAM  MAIS OS TAPES(GUARANIS)  que, de tempos em tempos, dando lugar ao seu intenso ódio á raça branca , acometiam, traiçoeiramente, os moradores e viajantes, fazendo horriveis carnificinas em represália das quais as autoridades.e mesmo os particulares organizavam escoltas numerosas e iam batelos nas brenhas, exterminando, às vezes, tribos inteiras. Afinal esses índios,ja´muito reduzidos em número , sumeteram-se ao governo provincial sendo ALDEADOS EM NONOAI E NA EX-COLONIA CASEIROS do Mato Portugues(estas duas reservas fazem parte  das áreas indigenas no Rio Grande do Sul"


Obs: Passo Fundo não tomou uma posição de destaque na Revolução Farroupilha, mas mesmo assim pertencia aos Imperiais, por isso os moradores fugiram da vila durante a Revolução farroupilha.

Quanto ao que Antonino Xavier fala sobre os indígenas coroados ou kaingasgs, neste século ainda (XVIII) seguindo em direção a Vacaria, passando por Campo do Meio, Mato Castelhano, Cruzaltinha, Ciríaco, toda aquela área ainda era mata fechada e habitada pelos kaingansgs ou coroados. Embora o Governo Provincial havia demarcado duas reservas para os que sobreviveram eles ainda ficaram muito tempo nestas matas,porém já eram em número bem reduzido e ainda foram mortos pelos primeiros habitantes brancos de Passo Fundo, como afirma Antonino Xavier, que foi o primeiro a registrar os primórdios de Passo fundo nestes "ANNAES"
"

OS INDIOS DO BRASIL


   No Brasil existe uma legislação específica para o povo indigena, vamos ver algo sobre isto
Reserva indígena é uma área de domínio de um país, destinada a servir a um grupo de indígena, com os meios suficientes à sua subsistência. No Brasil, a reserva indígena não é necessariamente área de ocupação tradicional indígena, distinguindo-se nisto de terra indígena (área indígena), definida na Constituição de 1988.

A Constituição de 1988
A constituição de 1988 consagrou o modelo das áreas indígenas, ou terras indígenas:
De acordo com o parágrafo 1º do artigo 231 da Constituição Federal, o conceito de terras tradicionalmente ocupadas pelos índios é definido como sendo: aquelas "por eles habitadas em caráter permanente, as utilizadas para suas atividades produtivas, as imprescindíveis à preservação dos recursos ambientais necessários a seu bem-estar e as necessárias a sua reprodução física e cultural, segundo seus usos, costumes e tradições".
Embora os índios detenham o "usufruto exclusivo das riquezas do solo, dos rios e dos lagos" existentes em suas terras, conforme o parágrafo 2º do Art. 231 da Constituição, elas constituem patrimônio da União. E, como bens públicos de uso especial, as terras indígenas, além de inalienáveis e indisponíveis, não podem ser objeto de utilização de qualquer espécie por outros que não os próprios índios.
A nova consttituição reconheceu os índios como os primeiros habitantes da terra e como tal têm direito ao seu usufruto, cabendo ao Estado assegurar o reconhecimento deste direito através da demarcação e homologação das terras indígenas. Desta forma, a partir daí, as reservas indígenas deveriam ser definidas pelo critério de ocupação tradicional. Estabeleceu também um prazo para a demarcação das terras indígenas: cinco anos após a promulgação da constituição, o que acabou não ocorrendo.
Diante da demora na demarcação e da expansão da fronteira agrícola, a idéia de Reserva Indígena fora das áreas tradicionalmente habitada pelos índios volta a ser discutida como forma de solucionar os conflitos decorrentes da presença de posseiros ou fazendeiros nas terras indígenas ou da expulsão das comunidades indígenas do seu território, que acabam em longas disputas judiciais. Entretanto, esta solução encontra resistência dos indigenistas e das organizações indígenas, que temem que a adoção deste modelo represente um retrocesso no direito dos índios às terras em que habitam tradicionalmente.
mapa das reservas no Brasil

 Área e população

De acordo com a Funai, aproximadamente 105 milhões de hectares (superfície das 611 terras indígenas cujos processos de demarcação estão minimamente na fase de delimitação) estão reservados para 460 mil indígenas, perfazendo 12,41% do total do território brasileiro[2].
Apenas como comparação, 6 milhões de pessoas vivem na cidade do Rio de Janeiro, que ocupa menos de 0,014% do território brasileiro. E a cidade de São Paulo, que ocupa menos de 0,018% do território nacional, tem atualmente mais de 10 milhões de habitantes.


Observamos que este mapa , não sei por quem foi elaborado porque está escrito e Ingles????Observo tambem que no Rio Grande do sul mal aparecem os pontos das reservas que são em numero de   7   isto quer dizer que sobraram de fato poucos indígenas.

Tambem observamos que os indígenas do brasil, inclusive os do sul estão se organizando e reorganizando, conseguindo eventualmente receber mais espaço para eles.
Converando, ou tentando conversar com alguns kaingangs que vêm a Passo Fundo posso dizer que são muito reservados, só falam entre si o kaingang e não permitem aproximação de pessoas desconhecidas.
este cesto é feito de taquara  trançado manualmente e depois pintado-comprei em Passo fundo de uma índia kaingang-geralmente só as mulheres fazem este trabalho e também vendem o artesanato.

O fato de aparecerem na cidade para vender seu artesanato não se deve ao fato deles necessitarem deste dinheiro para a   sobrevivência, mas porque eram tradicionalmente nômades.