GUERRA GUARANÍTICA

GUERRA GUARANÍTICA
A RESISTÊNCIA

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

sábado, 24 de julho de 2010

A EXPANSÃO PORTUGUESA DO SUL

Desde o  século XVI, o rei portugues D.João III expressava o desejo de fixar o Rio da prata como linha meridional da posse portuguesa.Com a implantação do SISTEMA DE CAPITANIAS HEREDITÁRIAS, aos portugueses cabem as Capitanias de São Vicente, Santo Amaro, ITAMARACÁ E sANTANA, SENDO QUE A ÚLTIMA POVOAÇÃO FUNDADA NA COSTA, AO SUL, DURANTE O SÉCULO xvi FOI A capitania de São Vicente. Assim, deste povoado até o Rio da Prata nenhuma povoação surgiu para firmar a posse da Coroa Portuguesa.

Mesmo assim, é entre o final do século XVII e início do seguinte que surge a povoação de Laguna e desta os primeiros moradores dos campos de Viamão, os pioneiros da ocupação do RIO GRANDE DE SÃO PEDRO. Pois importava aos portugueses a ocupação de forma antecipada das terras situadas entre a CAPITANIA DE SÃO VICENTE e do rio da Prata, antes de seus rivais e izinhos castelhanos.
Os portugueses em 1675 ao garantirem o domínio das terras situadas ao sul da Capitania de São Vicente, estavam recebendo o comércio entre os territórios hoje compreendidos pelo Brasil e Buenos Aires, visando, assim, a prata que derivava anteriorente deste porto. Como solução, os portugueses resolveram enviar um contingente, a fim de tormar o porto com o apoio dos paulistas, pela via terrestre, através do Paraguai. Isso assegurava vantagens sigificativas a Portugal com o suprimento de carne e couro para toda a região do Brasil atual e, principalmente, garantiria para Portugal o estuário do Prata e o caminho da prata do Potosi. Mas esse projeto não obteve o sucesso esperado por seu idealizador, o Governador da Bahia, Salvador correia de sá, devido ao ceticismo das autoridades responsáveis.
Com o receio de perderem os territórios do prata acontece no local uma verdadeira disputa entre Espanha e Portugal. O território torna-se foco de tensões. São mandadas, por parte de  ambas as nações, a partir do século XVI, várias expedições, a fim de evitar o predomínio da outra nação no território.


nascente do RIO DA PRATA
O RIO DA PRATA.


O rio da Prata é o estuário criado pelos rios Paraná e Uruguai, formando sobre a costa atlântica da América do Sul uma muesca triangular de 290 quilômetros de largura. A bacia hidrográfica combinada do Rio da Prata e seus afluentes (os rios Lujan, Matanza, Samborombón e Salado do Sul) possui uma superfície de aproximadamente 3 200 000 km².




Corre de noroeste a sudeste e mede dois quilômetros de largura no ponto que se toma como origem. No ponto onde as águas deixam de ser doces e se convertem no Oceano Atlântico sua largura é de 219 quilômetros. O limite exterior do Rio da Prata está determinado pela linha imaginária que une Punta del Este (República Oriental do Uruguai) com Punta Rasa no extremo norte do Cabo San Antonio (República Argentina





OBSERVAÇÃO:As capitanias foram uma forma de administração territorial do império português uma vez que a Coroa, com recursos limitados, delegou a tarefa de colonização e exploração de determinadas áreas a particulares, através da doação de lotes de terra, sistema utilizado inicialmente com sucesso na exploração das ilhas atlânticas. No Brasil este sistema ficou conhecido como capitanias hereditárias, tendo vigorado, sob diversas formas, durante o período colonial, do início do século XVI até ao século XVIII, quando o sistema de hereditariedade foi extinto pelo Marquês de Pombal, em 1759 (a hereditariedade foi abolida, mas a denominação capitania não).








<><>
<>

<><>
territorio atual do Brasil