GUERRA GUARANÍTICA

GUERRA GUARANÍTICA
A RESISTÊNCIA

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

CONVÊNIO SECRETO ADICIONAL

Um ano após o TRATADO DE MADRID  em 17 de janeiro d e1751 firmaram Portugal e Espanha um convênio secreto adicional. Por ele os reis de Portugal e Espanha se comprometiam em caso de resistência dos índios e habitantes a realizar a transmigração destes povos das aldeias e territórios missioneiros sob a força das armas. O que de fato aconteceu, mas os índios se recusaram a transmigrar por entender que a terra lhes pertencia bem como tudo o que tinham construído junto com os jesúítas.Começam então as campanhas de resistência envolvendo índios, jesuítas, portugueses e espanhóis e  a CONGREGAÇÃO DA COMPANHIA DE JESUS . Durante estas campanhas (combates, estratégias de resistência) que duraram na verdade   apenas 3 anos, de 1753 a 1756, os indígenas que não pereceram nos combates dispersaram-se, embrenhando-se na mata.

ALEXANDRE DE GUSMÃO
ALEXANDRE DE GUSMÃO, LUSO-BRASILEIRO UM DOS PRINCIPAIS ARTICULADORES DA  EXECUÇÃO DO TRATADO DE MADRID.


Alexandre de Gusmão (Santos, 1695 – Lisboa, 1753) foi um diplomata luso-brasileiro nascido no Brasil colônia, que representou Portugal em vários países, nomeadamente em Roma, onde chegou a ser convidado para a corte do Papa Inocêncio XIII. Notabilizou-se pelo seu papel crucial nas negociações do Tratado de Madrid, assinado em 1750, que definiu os limites entre os domínios coloniais portugueses e espanhóis na América do Sul, criando assim as bases do atual Brasil